Quase 64% dos inadimplentes devem aos bancos / Divulgação

A mercadoria que garante o ganha-pão de Guilherme Nogueira fica todos os dias, de segunda a sexta-feira, espalhada pelo chão de uma calçada na rua Uruguaiana, no centro da cidade do Rio de Janeiro. 

O jovem, de 28 anos, tinha um emprego formal, com carteira assinada até 2020.

Com a chegada da pandemia de covid-19, ele foi demitido e, desde então, tem que se virar como pode, para garantir o seu sustento e o de seu filho.

A perda do emprego também o envolveu em uma situação que atinge hoje 66 milhões de brasileiros, segundo dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL): o jovem não consegue pagar suas contas.

Sem uma fonte de renda estável, Guilherme não consegue saldar suas dívidas com o cartão de crédito.

“Eu não tinha condições de pagar o banco. Fiz um cartão de crédito e não tinha dinheiro na hora pra pagar. Tenho dívidas com cartão de dois bancos”, conta.

“Não tenho nenhum plano para conseguir pagar isso. Está difícil”, afirmou Guilherme 

O número de dívidas em atraso no Brasil, em abril deste ano, cresceu 18,42% em relação ao mesmo período do ano passado. 

A dívida com os bancos é, segundo o CNDL, o principal motivo da inadimplência: 63,8% d total.

E, assim como Guilherme, em média os brasileiros inadimplentes devem a duas empresas. 

Quase metade dos brasileiros na faixa etária a qual pertence o vendedor ambulante entre 25 a 29 anos estão na inadimplência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *