Proposta foi aprovada por 372 votos a 108 e seguirá para o Senado / Divulgação

A Câmara dos Deputados aprovou, por 372 votos a 108, o texto-base do projeto de lei complementar que fixa novas regras fiscais para as despesas da União, o chamado arcabouço fiscal. 

A medida substituirá o atual teto de gastos, criado ainda no governo de Michel Temer. 

Ainda faltam destaques a serem votados, o que deve ocorrer nesta quarta-feira, 24. Após essa etapa, texto seguirá para o Senado.

A proposta do arcabouço fiscal foi enviada em abril pelo governo federal ao Congresso Nacional. 

O relator do projeto, deputado Cláudio Cajado (PP-BA), incluiu gatilhos para obrigar o corte e a contenção de gastos no caso de descumprimento da meta fiscal.

O novo arcabouço fiscal limitará o crescimento da despesa a 70% da variação da receita dos 12 meses anteriores. 

Em momentos de maior crescimento da economia, a despesa não poderá crescer mais de 2,5% ao ano acima da inflação. 

Em momentos de contração econômica, o gasto não poderá aumentar mais que 0,6% ao ano acima da inflação.

Durante todo o dia, Cajado esteve reunido com o presidente da Câmara, Arthur Lira, costurando mudanças pontuais no relatório. 

Uma delas dá possibilidade do governo gastar mais do que o previsto, desde que arrecade mais que o previsto também. gastos serão condicionados ao cumprimento de r de resultado.

O placar provocou comemoração na base do governo. Por se tratar de um Projeto de Lei Complementar, eram necessários, no mínimo, 257 votos para aprovação. 

A aprovação por uma margem larga, com um clima político favorável, deixa o governo mais confortável para a votação no Senado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *